Quais são os Impactos ambientais da Energia Solar? Entenda!

“A energia elétrica é usada para diversas atividades diárias. O problema é que grande parte das nossas fontes de energia não são renováveis. Os impactos ambientais são muitos, e é aí que entra a energia solar. Mas quais seriam os impactos ambientais da energia solar? Entenda agora.”

Em boa parte dos países ao redor do mundo a energia só é obtida a partir da queima de materiais fósseis ou de carvão. Além disso ainda existe o enorme risco relacionado com a energia obtida através de tecnologias nucleares.

Impactos ambientais da Energia Solar

Os impactos gerados por essas formas de obter energia são muitos. Eles podem influenciar as alterações no clima que produzem situações como o aquecimento global. Sem contar a poluição do ar e da água, a chuva ácida e o acúmulo de resíduos.

Especialistas apontam que se continuarmos nesse ritmo, a produção da energia pode acabar com o planeta. Tendo isso em mente, alternativas para combater esses fatores têm sido, com cada vez maior frequência, incentivadas. E um dos modelos mais usados têm sido a energia solar.

Faz todo o sentido se você parar pra pensar que o sol está sempre disponível. O impacto desse tipo de energia na vida humana e no ambiente é relativamente menor. Além disso, a energia solar não se esgota. E por esse motivo ela é classificada como uma energia limpa e renovável. Pois não libera gases, não produz ruídos, não polui o ar, nem a terra ou a água.

Outra vantagem da energia solar é que seu sistema é capaz de abastecer a produção humana por mais de 30 anos. E não apenas ela é mais econômica no aspecto de uso da energia, como de valor financeiro. Além disso, o Brasil ainda possui leis específicas que contribuem para quem produz sua própria energia, gerando descontos.

Veja também:  O que é Efeito Fotovoltaico? Entenda como funciona!

Além disso, as placas de energia, usadas na produção de eletricidade podem garantir uma economia financeira ao longo dos anos. Já que se você precisar produzir mais energias, basta adicionar mais placas à sua instalação. Os benefícios ao meio ambiente também são vários.

Isso acontece porque ela não produz gases tóxicos. O que faz com que a produção desse tipo de energia não contribua para o aquecimento global. O que é uma realidade diferente da que se tem no momento, com a produção de energia tendo ligação direta com esses fenômenos.

Energia solar e o meio ambiente

A produção de energia solar fotovoltaica é uma das fontes de energia com menos impacto ambiental. Isso porque o uso de placas solares para gerar energia não emite gases como CO2. E esse é o gás responsável por contribuir para o aumento do efeito estufa do planeta. O que consequentemente contribui diretamente para o aquecimento global.

O Brasil sendo um país tropical, tem sol o ano todo, o que o torna o lugar ideal para produzir esse tipo de energia. Isso somados aos baixo custo da produção de energia solar tem aumentado a procura pelo sistema. Em 2018, o país entrou para a lista dos 30 países que mais produzem energia solar.

O sistema solar também pode ser implantado em grande escala. Como em usinas produtoras de energia, assim como em casas, comércios e indústrias. Mas para entender seus impactos é importante entender as etapas da produção desse tipo de energia. Vamos ver isso a seguir.

Impactos ambientais da Energia Solar no mundo

Produção e impactos ambientais da energia solar

Para a obtenção da energia são usados diversos equipamentos. Dentre eles as placas são as que consomem a maior parte da energia. O que equivale a até 85% da energia gasta no total. Isso acontece porque os módulos solares são muito complexos e exigem várias etapas para a sua fabricação.

Veja também:  Geração Distribuída de Energia Solar - Como funciona?

Em compensação, as placas devolvem essa energia em sua vida útil, que é em torno de 25 anos. Segundo pesquisas, ela demora em torno de 2 anos para devolver a energia consumida durante sua fabricação. Ou seja, sobram pelo menos 22 anos de vida útil para sua utilização.

Mais de 80% das placas solares fotovoltaicas produzidas no mundo todo são feita de silício. O silício é encontrado no estado sólido em temperatura ambiente. Ele é o elemento mais abundante da crosta terrestre. O silício é encontrado principalmente na argila, granito, quartzo e areia. Acontece que em seu processo de extração são degradadas a paisagem e a flora.

Em seu tratamento ocorre a emissão de pó sílica, que acontece na hora da fundição e outros produtos químicos como ácido clorídrico e sulfúrico. Esses produtos são tóxicos. Cada país possui regras e normas diferentes no que diz respeito ao descarte desses resíduos. Isso, no entanto, gera impacto ambiental.

Há muitos questionamentos a respeito de usinas capazes de produzir energia solar. A quantidade de placas usadas nesse processo pode ocupar milhares de hectares de terra. Muitas pessoas afirmam que essas terras poderiam ser usadas para plantação de árvores e em métodos de redução do efeito estufa.

Atualmente, existem projetos que já permitem a instalação de placas solares sobre o mar. Nesse caso, as placas ajudam a diminuir a evaporação da água. E com isso, a proximidade dos painéis solares da superfície aumenta o índice de captação.

No caso de projetos de geração distribuída, como em casas e comércios o impacto é nulo. As placas são instaladas sobre os telhados e assim não ocupam espaço que poderia ser aproveitado de outra maneira. E mesmo em áreas rurais, onde a instalação muitas vezes ocorre sobre a terra, o impacto é nulo. Então como você pode ver o uso da energia solar é bastante positivo para o meio ambiente.